Sindiquinze participa da Ampliada da Fenajufe, que aprova construção da Greve Sanitária Já e #ForaBolsonaro

O Tesoureiro do Sindiquinze e Coordenador-Geral da Fenajufe, Zé Aristéia, participou no último sábado, da Reunião Ampliada Extraordinária Virtual da Federação. O encontro teve participação de 19 dos 26 sindicatos filiados, sendo que 7 – entre eles, o Sindiquinze – não enviaram delegação por não terem tido tempo hábil para contratarem sistema certificado para realização de assembleias virtuais. As duas principais propostas aprovadas por ampla maioria foram a Greve Sanitária Já e a adesão irrestrita ao movimento Fora Bolsonaro, Mourão, Guedes e todo o Governo. Além do dirigente, o assessor parlamentar do Sindiquinze, Alexandre Marques, também participou de toda a plenária.

Após debates acalorados, a proposta de construção de greve imediata teve 54 votos favoráveis, 35 contrários e 2 abstenções, como forma de proteger a vida de servidores, servidoras e cidadãos. Um dos argumentos que sustentaram a posição pela Greve Sanitária é a incapacidade de unidades do Judiciário Federal garantirem a segurança sanitária de quem trabalha na Justiça Eleitoral. Também houve preocupação com a situação de quem já está trabalhando ou nunca parou, como é o caso dos Agentes de Segurança, Oficiais de Justiça, pessoal de TI e suporte. Desta forma, será intensificada a pressão junto a tribunais para a garantia da integridade sanitárias destes servidores(as), sob pena de responsabilização dos gestores.

“O resultado da ampliada definiu o #forabolsonaro, assunto já definido em reunião de diretoria virtual do Sindiquinze, e também a greve sanitária, neste momento mais focado na Justiça Eleitoral, para proteger os servidores e servidoras que estão na organização das eleições. A questão que nos interessa na 15ª Região, que é o retorno ao trabalho presencial, ficou encaminhada para uma nova plenária no dia 19 de setembro”, explica Zé Aristéia.

Fora Bolsonaro

Também foi aprovada por 72 votos a favor, 8 contra e 3 abstenções, a adesão irrestrita ao movimento #forabolsonaro. A aprovação contempla propostas que foram apresentadas previamente e durante a Ampliada. O texto final com a posição da Fenajufe será construído na Direção Executiva, pelas forças que compreendem o coletivo. Com o #ForaBolsonaro a Fenajufe orienta às entidades não só a adesão, mas o fortalecimento da campanha nos estados. Nos próximos dias a Federação irá desenvolver a identidade visual para divulgação junto ao manifesto construído na Direção.

Conjuntura, relações de trabalho e reforma Administrativa

O esperado debate de Conjuntura foi dividido entre o assessor e consultor de entidades sindicais Vladimir Nepomuceno e Marilane Teixeira, Doutora em desenvolvimento econômico pelo Instituto de Economia da Unicamp.

Marilane Teixeira começa falando da austeridade fiscal que, segundo ela, é uma decisão política e não um modelo econômico, mas que tem norteado as intervenções das economias que de certa forma optaram pelo caminho do neoliberalismo no último período. Ela ressaltou que o País passa por um processo de multitendência de financeirização das economias que se expressou ainda em 2018 e se exacerbou de lá para cá. Ela reforça que os servidores devem retomar o protagonismo da luta de classe.

Em sua análise final, a economista apontou que o Governo Bolsonaro está insatisfeito com a aprovação da EC 95 e quer aprofundar os efeitos da emenda. “É pretensão de o Governo aprofundar ainda mais a retirada de recursos da educação, saúde, segurança e dos servidores públicos”, disse ela, acrescentando ainda que a implementação do teletrabalho já está sendo discutida não só nas grandes corporações como também em segmentos da classe trabalhadora como os bancários e petroleiros.

Vladimir Nepomuceno alerta que mesmo com a rotina alterada no Congresso Nacional por causa da pandemia, o governo articula o retorno da agenda neoliberal o quanto antes. “Já está em andamento tudo que eles querem fazer”. Para Nepomuceno, os agentes do governo já trabalham a construção de novos textos para acelerar a aprovação das PECs que destroem o estado brasileiro e os servidores públicos. O assessor lembra que a estratégia governista é juntar as PECs 186 e 188 /2019 no mesmo texto e acelerar a tramitação na retomada presencial do Congresso. Para ele, os servidores necessitam enfrentar todos os ataques vindo do Governo que devem se acirrar após as eleições e sinalizou a importância da greve sanitária.

Já Vladimir Nepomuceno destacou a relevância da unicidade entre as categorias das três esferas do serviço público. “No momento não importa quem é de esquerda, de direita ou de centro não importa em quem o companheiro votou nas últimas eleições. Tem que estar todo mundo junto em defesa do serviço público”.

Com informações da Fenajufe

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *