14J é Greve Geral: Fenajufe continua mobilização contra a “Reforma” da Previdência

Nesta segunda-feira, dia 20 de maio, foi dia de pressão sobre parlamentares, com o objetivo de convencê-los sobre os prejuízos para a classe trabalhadora, trazidos pela proposta de “Reforma” da Previdência do governo Jair Bolsonaro. Mais uma vez foi distribuído material produzido pelas assessorias Parlamentar e Jurídica Nacional da Fenajufe, em conjunto com o Fonasefe. A atividade aconteceu no saguão de desembarque do Aeroporto Internacional de Brasília.

O trabalho de recepcionar os deputado(a)s e senadore(a)s continuou nesta terça-feira, dia 21, quando outras entidades que representam os Servidore(a)s Públicos Federais devem se juntar à Federação. Enquanto isso, na Câmara dos Deputados, o cronograma de trabalho da Comissão Especial que analisa a proposta de reforma da Previdência, continua com a realização de audiências públicas.

Pelo plano de trabalho aprovado, na terça, quarta e quinta feira serão realizadas, respectivamente a sexta, sétima e oitava audiências, de uma previsão de dez. As audiências terminam na quinta-feira, 29 de maio, quando o tema será o Regime de Capitalização e Avaliação Atuarial.

14J é Greve Geral

Na esteira do 15 de maio, quando o Brasil viveu um tsunami de atos e protestos contra os cortes na Educação e contra a “Reforma” da Previdência a União nacional dos Estudantes (UNE) chamou nova mobilização para 30 de maio, quando, mais uma vez, as ruas serão tomadas por manifestações contra os retrocessos anunciados. O movimento será mais um esquenta para a Greve Geral de 14 de junho – 14J.

O levante dos estudantes é uma resposta aos cortes de orçamento em todos os níveis da educação, anunciados em 30 de abril pelo ministro da Educação. Há protestos convocados em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Curitiba, Fortaleza, Belém, Recife, Manaus e Natal.

A Fenajufe e o Sindiquinze reforçam a necessidade de organização na resistência para ampliar o trabalho nas bases eleitorais dos deputados, abordando aliados políticos nas prefeituras, associações de moradores e municípios.

A PEC 6/2019 beneficiará banqueiros e o mercado financeiro e será cruel tanto com os trabalhadores da iniciativa privada quanto com os servidores públicos. Além de criar um regime de capitalização como alternativa ao de repartição, a proposta de reforma estabelece idade mínima de aposentadoria (65 para homens e 62 para mulheres) que poucos trabalhadores conseguirão cumprir.

Calendário

Segunda e terça – recepção dos parlamentares toda semana no aeroporto

30/5 – Levante dos Estudantes contra os Cortes na Educação

30/5 – Caravanas a Brasília para pressionar o STF pela manutenção dos Quintos incorporados

31/5 – Data indicativa para debate sobre a “Reforma” da Previdência

1º/6 a 12/6 – Rodada nacional de assembleias nos estados para discutir e deliberar sobre a Greve Geral do dia 14/6.

14/6 – Greve Geral

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *