Coletivos abrem encontro nacional com discussão sobre o porte de armas

O 11º Encontro Nacional do Coletivo dos Oficiais de Justiça Avaliadores Federais (COJAF) e o 7º Encontro Nacional do Coletivo dos Agentes de Segurança e Inspetores (CONAS), realizados de maneira conjunta no último sábado, dia 24 de novembro, em Brasília, realizaram diversos debates sobre defesa dos direitos do funcionalismo. O Tesoureiro do Sindiquinze, João Paulo Zambom, o oficial Vagner Oscar de Oliveira e os agentes de segurança Guilherme Brito Rabelo e Walter Brandi Kock Rodrigues representaram o sindicato nos debates.

No primeiro painel trabalhado, o tema abordado foi o Porte de Armas e as perspectivas de aprovação para Agentes de Segurança e Oficiais de Justiça. Também questões que envolvem o PL 3722/12, que trata da do controle de armas de fogo, foram discutidas frente ao contexto que se desenha com a próxima Legislatura, que terá início em 2019. O painelista foi Thiago Queiroz, da Assessoria Parlamentar da Fenajufe.

Na avaliação do palestrante, o momento é muito propício à discussão, uma vez que a agenda ultraliberal do futuro ministro da Fazendo de Bolsonaro, Paulo Guedes, desenha dificuldades para o conjunto dos servidores públicos. Thiago Queiroz lembrou que também a agenda da segurança pública entrou no radar com o resultado da eleição o que deve favorecer o andamento dessas pautas. Resta aguardar os embates entre essas duas agendas para se ter a ideia de como o tema será desenvolvido durante o governo.

Outra avaliação apresentada pelo painelista foi com relação ao recado das urnas, elencando pontos como a rejeição ao sistema político tradicional e suas práticas, bem como a defesa da ordem, da moralidade e de costumes, como impulsionadores do resultado da eleição. Soma-se a isso a melhoria da qualidade dos serviços públicos e o discurso do combate à corrupção, à violência e à criminalidade.

O resultado ainda aponta um agravante, segundo Queiroz: a sociedade passou a reconhecer a necessidade de reformas, o que pode impulsionar pautas como a reforma da Previdência. E isso foi posto sem debate, sem se discutir a necessidade ou não dessas reformas.

Sobre o PL 3722/12 Thiago Queiroz avalia que há espaço para discussão por ir ao encontro de pautas defendidas por grande parte do Legislativo, bem como hoje os principais candidatos à presidência da Câmara são alinhados a ela também. Como dificuldade a essa discussão ficam as restrições que tanto a bancada evangélica como o novo ministro da Justiça, Sérgio Moro, têm a respeito do Estatuto.

Nas intervenções do plenário, ficou evidenciada a preocupação com o modelo de atuação no Congresso Nacional, para defender as bandeiras do segmento. Outro tema que também permeou as intervenções foi o posicionamento do próprio Sérgio Moro quanto a essas pautas do segmento.

O evento teve continuidade no domingo, com reuniões especificas do COJAF e do CONAS.

Com informações da Fenajufe

One comment

  1. Bom dia!
    Quero parabenizar toda a diretoria do sindiquinze pelo esplendoroso trabalho desenvolvido por esta diretoria e em especial no que tange a parte do NASP.
    Recebo via correios e leio tbem aqui as noticias. Vendo agora a noticia sobre a reunião em que foi discutido o porte de arma para os Agentes de Segurança e Oficiais de justiça. Quero sugerir que essa diretoria pleiteie junto aos órgãos competente que não seja retirado a nomenclatura de suas identidades funcionais ao se aposentarem e que os mesmos após a aposentadoria continuem a ter o direito de continuar com o porte e os que já estão aposentados possam ter o direito de tira-lo, se assim desejar.
    Obrigado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *